Arquivo mensal 17 de Dezembro, 2018

PorRedação Faça Seu Consórcio

Entenda sobre o Consórcio Imobiliário

Saiba tudo sobre este consórcio

A crise econômica que o Brasil vem passando tem influenciado bastante o sonho da casa própria. Com a taxa de desemprego cada vez mais alta, hoje girando em torno de 12%, e os financiamentos com juros altos e parcelas intermináveis, o brasileiro tem investido mais em planos de consórcios. Eles funcionam como um financiamento, mas não acarretam juros e age de forma coletiva. Mensalmente você pagará um determinado valor e poderá participar de sorteios ou dar lances para conseguir a contemplação da quantia contratada.

Diversas empresas trabalham com esse tipo de investimento, caso do banco Itaú e da Porto Seguro, que tem cartas de crédito com valores diferenciados e mensalidades com custos bem acessíveis ao consumidor. No caso do Itaú, por exemplo, o interessado consegue saber passo a passo do funcionamento e também simular um orçamento pelo próprio site, facilitando a pesquisa.

Vender consórcio imobiliário é uma ótima opção para as empresas, que auxiliam ao trabalhador a adquirir um bem próprio, muitas vezes a vista. Segundo o portal G1, esse tipo de investimento não precisa de entrada e também não trabalha com parcelas intermediarias, sendo uma opção bem viável para comprar o seu imóvel.

Liberação do FGTS pode te ajudar nos lances

Os valores de contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), estão sendo liberados desde março pela Caixa Econômica Federal. O banco já permitia o uso do FGTS como valor para os lances do consórcio, mas esse benefício, até então retido, pode ser usado sem comprometer o que você tem a receber do seu trabalho atual, caso seja mandado embora, por exemplo.

Conforme a explica a Embracon, os cotistas podem usar o benefício tanto para pagar parcelas como para quitar o valor da carta de crédito, algo permitido também pela Caixa. Será necessário, claro, seguir algumas regras para utilização do FGTS como, por exemplo, ser registrado por no mínimo três anos pela mesma empresa ou por corporações diferentes.

Quando a empresa vai te vender um consórcio essa opção é apresenta, já que pode ser utilizada inclusive para os lances do investimento. Segunda a Embracon, o saque do benefício é ainda permitido para complementar a carta e assim poder adquirir um imóvel de valor maior do que o contratado.

A contratação é um processo simples

A aquisição de um consórcio exclui a necessidade avalistas e a comprovação de renda, que será cobrada para o financiamento. De acordo com matéria ao G1, especialistas explicam que existem várias opções de carta de crédito e número de parcelas, que podem chegar a 180 meses. Se ocorrer a contemplação, por sorteio ou lance, o consumidor pode utilizar o valor contratado para a compra do imóvel e assume as parcelas restantes.

Neste caso, é possível vender o consórcio, onde o comprador irá assumir as parcelas em aberto como titular e poderá participar da mesma forma dos sorteios. Vender consórcio imobiliário é um negócio legal, garantido pelas empresas, mas o consumidor deve ficar atendo a golpes. O ideal é adquirir com corporações que já trabalhem com esse serviço, como bancos e seguradoras, que torna a aquisição mais segura.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Você sabia que o consórcio tem crescido cada dia mais?

Entenda o crescimento do Consórcio

“O mercado de consórcios imobiliários cresceu 6,6% neste ano e representa 30,2% dos imóveis financiados no país no primeiro semestre, de acordo com a Abac, associação do setor.

Diferente dos financiamentos, os consórcios não cobram juros, apenas uma taxa administrativa que tem um valor bem baixo se comparado aos juros cobrados pelo financiamento. O único ‘problema’ é que o bem não vai ser adquirido de imediato, já que os consórcios trabalham com a sorte e você dependerá dela para ser contemplado.

Por conta disso, é comum as pessoas desistirem no meu do caminho desse negócio, por não acharem vantajoso aguardar pelo valor de contrato. Uma dúvida muito comum apresentada pelos interessados é de como vender meu consórcio. Isso é uma possibilidade legal e pode ser feita a qualquer momento, inclusive na primeira parcela.

Como a opção cresceu muito ao longo desses últimos dois anos, é mais fácil encontrar consórcios à venda, já que os contemplados também acabam tentando passar para frente a carta.

Consórcio é vantajoso não apenas pela falta dos juros

Quando você contrata um consórcio ele pode ser usado para diversas finalidades, não apenas para compra de imóveis ou veículos, que é seu uso mais comum. Como vender consórcio também está se tornando uma prática frequente, vale a pena saber que é possível adquirir esse serviço para eventos, como um casamento, por exemplo.

A Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (Abac) prevê que é permitido a utilização da quantia contratada para qualquer serviço, se o contrato for em relação a um serviço. No caso de um bem, o valor deverá ser destinado para isso.

Nos consórcios, segundo o G1, o produto não é levado imediatamente pelo cliente. Quando adquirido, o consorciado entra para um grupo e nesse sistema, participa mensalmente de um sorteio. Ainda de acordo com o site, esse sorteio funciona através da divisão do número de participantes, onde um acaba sendo contemplado com o valor do contrário, mas precisará ainda pagar o restando das parcelas.

Existe outra possibilidade, prevista pela Abac, o que é chamado de lance. Neste caso, o titular poderá adiantar suas prestações, caso tenha interesse, e assim pode fazer uma oferta mais, se ela for a maior ele leva o valor do contrato.

Como vender meu consórcio

Essa possibilidade existe e pode ser feita com a própria administradora em qualquer etapa do negócio. Você como titular pode desistir da carta de crédito no meio ou depois de ser contemplado, em ambos os casos, é uma forma prevista pela Abac.

No entanto, de acordo com o G1, se o cliente quiser desistir do negócio sem vendê-lo, terá que esperar por ser sorteado ou participar dos lances, caso queira reaver o dinheiro que foi investido. As administradoras não são autorizadas a devolverem o valor das taxas e como vender consórcio em andamento é permitido, deve-se avaliar o preço a ser cobrado na venda.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Lance vencedor no consórcio, como funciona?

Entenda como funciona o Lance vencedor no consórcio

O consórcio é um sistema que oferece os mesmos direitos e deveres a todos os integrantes de determinado grupo, sem beneficiar um ou outro. Logo, os lances são sempre apurados de forma justa e igualitária. Mas isso não significa que o maior valor será o vencedor, em função de algumas variáveis que veremos a seguir:

Créditos diferentes no mesmo grupo:

Um mesmo grupo de consórcios pode ter integrantes com valores diferentes de crédito. É o que prevê aCircular 3432 do Banco Central do Brasil (BCB), autoridade reguladora e fiscalizadora do Sistema de Consórcios. No texto da norma, consta que: “É admitida a formação de grupos em que os créditos sejam de valores diferenciados, observado que o crédito de menor valor, vigente ou definido na data da constituição do grupo, não pode ser inferior a 50% (cinquenta por cento) do crédito de maior valor.”

Neste caso, uma das formas de apuração justa é definir como vencedor aquele que ofertar o maior percentual em relação ao crédito. Assim, se dois consorciados de um mesmo grupo possuem créditos diferentes e ofertam lances de R$ 10 mil, será o vencedor aquele cujo lance representar um percentual maior do total do crédito, desde que haja saldo no caixa do grupo, como veremos a seguir.

Por exemplo: se o primeiro consorciado tem uma carta de crédito de R$ 20 mil, o lance de R$ 10 mil corresponde a 50% desse valor. Se o segundo consorciado tem uma carta de R$ 30 mil, o lance de R$ 10 mil corresponderá a 33,3% desse total. Neste caso, o primeiro consorciado, cujo percentual é maior, será o vencedor (desde que haja saldo disponível no caixa do grupo, como veremos adiante). Somente o consorciado contemplado realizará o pagamento do lance.

Lance de quitação

No momento da oferta do lance, quando o consorciado seleciona a opção lance de quitação, prioritariamente ele será o vencedor.

Saldo disponível no caixa do grupo

No consórcio, pessoas de um mesmo grupo contribuem com um fundo comum. Este é utilizado para a compra do bem ou serviço pelos integrantes, sendo a ordem definida por sorteio ou lance. A empresa apenas administra o caixa do grupo, não podendo acrescentar recursos próprios.

Dessa forma, para que as contemplações sejam realizadas, é necessário que existam recursos disponíveis no caixa do grupo. Se determinado, caso o consorciado tenha o lance vencedor, porém o saldo do grupo não seja suficiente, não será possível realizar sua contemplação. Vale destacar que a contemplação por lance somente pode ocorrer após a contemplação por sorteio, conforme normas do BCB.

O mais importante de tudo isso é saber que ao consorciado é assegurada a igualdade na concorrência pela contemplação, seja por sorteio ou lance. Todas as regras de oferta e desempate de lance devem constar no contrato. Ainda, as informações referentes ao grupo, inclusive sobre as contemplações, são informadas ao consorciado durante as Assembleias Gerais Ordinárias (AGO).

PorRedação Faça Seu Consórcio

Trocar de carro após a contemplação, é possível?

Fui Contemplado, posso trocar de carro?

Sim é possível, muitos clientes ainda não conhecem essa opção que o sistema de consórcio oferece. A troca de veículo durante o plano é chamada de Substituição de garantia, sendo a troca do carro que está em seu plano por um novo de sua escolha.

Para você poder trocar de carro é necessário entrar em contato com o Consórcio Tradição, sua administradora, e informar que deseja fazer uma substituição de garantia. Nós iremos enviar todas as informações que devem ser seguidas para a troca ser efetivada.

Após envio da documentação é feito uma análise para verificar se o novo carro está de acordo com todos os requisitos solicitados na contemplação.Depois de aprovado basta escolher seu novo carro e realizar a troca.

Para a Substituição de Garantia acontecer o consorciado precisa saber de algumas informações:

  • Estar com as parcelas em dia;
  • Não é possível substituir uma garantia por duas;
  • Valor do novo veículo precisa ser igual ou de menor valor;
  • Para veículos seminovos é preciso verificar se ele tem no máximo 12 anos de uso;
  • Será cobrado uma taxa de cadastro para o novo veículo;
  • Se o novo veículo for de maior valor, o consorciado será responsável por efetuar o pagamento da diferença.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Poupança ou Consórcio qual será a melhor escolha?

Segundo pesquisas da Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio (ABAC), quem entra em um consórcio economiza até 4,5 vezes mais do que uma pessoa que opta por utilizar a poupança.

Tanto o consórcio quanto a poupança tem seus pontos positivos e negativos, mas ambas as opções são válidas na hora de investir, você apenas deve se perguntar: tenho uma vida financeira organizada e consigo guardar dinheiro?

Se a resposta for positiva a poupança pode fazer sentido para o seu dia a dia, uma vez que você vai conseguir se regrar e juntar o montante necessário para o que deseja adquirir, sem ter que pagar taxas de administração ou quaisquer outras, gerando até um pequeno lucro mensal.

Caso a resposta seja negativa, então com certeza o consórcio é a opção para poupar mais indicada para você, uma vez que o boleto de depósito chega todo o mês na sua casa, e reaver o dinheiro já investido não é tão fácil quanto fazer uma retirada no banco.

Como funciona a poupança

O bom da poupança é a liberdade que você tem em investir quanto e quando quiser, se um mês for mais apertado você pode depositar menos ou não depositar nada e repor isso no próximo mês.

O ruim da poupança é que você tem a liberdade de retirar o dinheiro a hora que quiser e fazer os depósitos quando você quiser também. O que vai acontecer é que, se não for regrado o suficiente você não verá a poupança crescer e, mesmo que cresça , tirar um pouquinho aqui e ali logo fará com que ela murche novamente.

Além disso, esse fundo de poupança vai gerar um lucro para você conforme o tempo e quantidade de dinheiro guardado ali. Lembre-se que deve ficar de olho nas mudanças do mercado e em como o seu dinheiro pode valorizar e desvalorizar, faça a seguinte pergunta: os 10 mil que você investiu na poupança em janeiro deste ano vão poder comprar a mesma coisa que eles comprariam quando investido em dezembro?

Como funciona o consórcio

O consórcio é uma modalidade de poupança forçada, onde você tem uma quantia exata mensal que deve pagar à administradora do consórcio para que, ao longo do tempo, você seja contemplado para a carta de crédito, através de sorteio ou lance, mesmo que não tenha atingido o valor total necessário ainda.

Ela é forçada justamente pelo motivo de que, se você não pagar a parcela em dia, todos os meses, você não é apto para atingir a contemplação. Um dos benefícios é que existe uma correção de valores durante o tempo, o que vai fazer com que você mantenha o poder de compra para o produto que mirou desde o início.

A administradora do consórcio vai cobrar uma taxa de administração, assim como mais algumas outras para o melhor funcionamento do grupo, o que fará com que você invista um pouco mais para adquirir um bem móvel, imóvel ou serviço.

Que tal unir forças e aderir as duas formas de poupar?

Você pode, por exemplo, investir no consórcio da sua casa própria em um plano que caiba no bolso e ainda ter uma conta poupança, depositando mensalmente, para estar sempre protegido de imprevistos, dessa forma se precisar usar a sua poupança em uma emergência você já sabe que isso não vai interferir na compra da sua casa própria.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Qual a idade mínima permitida para fazer um consórcio

Entenda com quantos anos posso fazer um Consórcio

Legalmente, qualquer pessoa física a partir dos 18 anos de idade que possua “plena capacidade” pode assinar para participar do consórcio. De acordo com o Código Civil Brasileiro, a assinatura de documentos legais pode ser feita por menores de idades a partir de 16 anos de idade, sendo exigido também a assinatura dos responsáveis legais pelo jovem.

Em caso de emancipação o jovem não precisa da assinatura de outras pessoas para aderir ao consórcio, porém vale sempre analisar os requerimentos que a empresa administradora do requer para a assinatura.

Já para pessoa jurídica, basta que titular da empresa assine o contrato de consórcio, porém a administradora irá analisar o contrato social para se certificar tanto da regularidade da empresa quanto da confirmação da pessoa jurídica.

Por sua facilidade e custo benefício, o consórcio é uma das formas de compra programada que mais compensam a longo prazo e cada vez mais apontam um investimento planejado, oportunizando que este investimento aconteça sem a compra efetiva no momento..

Essa facilidade de pagamento e aderência chama cada vez mais a atenção de muitos jovens adultos, e até mesmo adolescentes, para esta modalidade de autofinanciamento em grupo, que oferece planos chamativos indo muito além de bens materiais como casas e carros.

Com o consórcio, investir no futuro seja ele educacional, financeiro ou profissional, fica muito mais fácil e viável para esses jovens, que podem contar com a carta de crédito para:

  • Faculdades
  • Formaturas
  • Crédito para empresas
  • Intercâmbios
  • Viagens de negócio
  • Cursos
  • Cirurgias estéticas

As vantagens de se aderir ao consórcio cedo

O consórcio é uma modalidade de autofinanciamento em grupo, onde são estipuladas parcelas fixas mensais, a contemplação para a carta de crédito é cedida através de sorteios realizados todo o mês.

Diferente do financiamento, que tem o crédito liberado automaticamente, o consórcio permite que uma pessoa, desejando comprar tanto bens imóveis e móveis quanto adquirir serviços, no futuro, possa começar investindo agora para quando a hora chegar, eventualmente, desfrutar da contemplação.

Caso um cotista no consórcio seja sorteado mas não queira retirar sua carta ele tem a opção de abrir mão de sua vez e continuar esperando pelo próximo sorteio dentro do grupo. Veja mais algumas vantagens do consórcio:

  • Juro zero
  • Poder de compra à vista
  • Parcelamento integral do valor (parcelas iguais)
  • Flexibilidade de crédito
  • Atualização do valor do plano

PorRedação Faça Seu Consórcio

Você sabe como calcular o financiamento do seu veículo?

Para descobrir exatamente o valor da taxa, vou te ensinar como calcular o valor dos juros de financiamentos. Desta forma, é possível conferir imediatamente se a taxa de juros que o vendedor ofereceu bate com a realidade.

Digamos que um comprador procura um veículo de 40 mil reais. Numa garagem, o vendedor informa uma taxa de 20% de entrada, que neste caso, é R$ 8 mil. O restante, então, terá que ser parcelado em 60 vezes de R$ 812,59. Então, chega o momento de questionar o valor da taxa de juros. O problema é saber se o valor repassado pelo vendedor está correto.

Como funciona?

Confira as funções da HP 12C que você vai utilizar:

CHS -> Muda o sinal
Enter -> Introduz números, separa números
PV -> Calcula e armazena o valor atual (fluxo inicial)
n -> Calcula e armazena o número de perídos
PMT -> Calcula e armazena o Pagamento Periódico (prestação)
i -> Calcula e armazena a taxa de juros por período

E pra ter certeza sobre isso, primeiro, você precisa de uma calculadora HP. Se não tiver, basta baixar o aplicativo “HP 12 C” no seu smartphone. Então, você deve considerar o preço total do veículo que pretende financiar. Neste caso, para ilustrar vamos usar o valor de R$ 40 mil reais, com 20% de entrada (8 mil). O cálculo, então, é o seguinte:

40.000,00 -> ENTER -> 8.000,00 -> (-)
CHS -> PV -> 60 -> n -> 812,59 -> PMT

i = 1,50

Este resultado é a taxa percentual exata que você vai pagar por mês pelo financiamento de um veículo 40 mil (com entrada de 20%). No entanto, você pode adaptar esta mesma fórmula a qualquer valor; a sequência é sempre a mesma, basta alterar as variáveis.

Por exemplo:
Se você quiser financiar os mesmos R$ 40 mil, mas sem entrada, e o vendedor oferecer uma proposta de 60 parcelas de R$ 1.095, a taxa de juros será diferente. E pra descobrir esse valor, a sequência então fica da seguinte forma:

40.000,00 > ENTER
CHS -> PV -> 60 -> n -> 1.095,68 -> PMT

i = 1,80

Ou seja, você pagará a taxa de 1,8% ao mês se financiar R$ 40 mil sem entrada. Também existe uma segunda ferramenta bastante intuitiva pra quem considera estes cálculos muito complicados, que não conseguiu alcançar o resultado correto, ou, ainda, que quer conferir a resposta.

Basta acessar a Calculadora do Cidadão, disponibilizada pelo Banco Central do Brasil e digitar os valores.

Com essas alternativas, certamente ficará muito mais difícil cair em armadilhas ao fazer qualquer financiamento. Portanto, salve estes cálculos e faça bom proveito!

PorRedação Faça Seu Consórcio

E se eu desistir do Consórcio?

Será possível desistir de um consórcio?

Quando investimos em um consórcio, todos os termos e condições relativos a ele são previstos em contrato. Por isso, antes de entrar em um grupo de consórcio, é importante sempre analisar com atenção todas as cláusulas, incluindo casos de imprevisto, como a desistência, por exemplo.

Como é uma compra programada de prazo médio a longo, a saída de um dos consorciados pode fazer com que o grupo fique desfalcado. Por isso, a taxa de fundo de reserva – que é diluída nas parcelas de todos os participantes do grupo – é tão importante. E ela que vai garantir que ninguém do grupo fique prejudicado com essa desistência, uma vez que a parcela mensal não será paga até que a cota seja repassada para outra pessoa.

Mesmo que exista a possibilidade de desistir do consórcio, no fim você acaba pagando por esta desistência, portanto nunca é um bom negócio. Daí a importância de planejar detalhadamente seu orçamento antes de aderir a um grupo, assim você consegue pagar todas as parcelas em dia e não será pego de surpresa.

Os motivos para desistir de um consórcio podem ser muitos, mas seja qual for, é importante conversar com a administradora. Isso porque muitas pessoas acabam atrasando algumas parcelas e acreditam que não vão dar conta de quitar todo o valor da cota.

Nestes casos, se o cotista perceber que não conseguirá pagar suas prestações, ele poderá, junto à administradora, escolher um crédito de menor valor, reduzindo assim as parcelas e não tendo mais a preocupação de ficar inadimplente. Fora isso, as administradoras oferecem várias formas de negociação para que o consorciado não desista.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Consórcio Empresarial, como funciona?

Entenda mais sobre consórcio para empresas

Manter uma empresa aberta não tem sido tarefa fácil no Brasil. Segundo o último indicador divulgado pelo Sebrae, um terço dos negócios fecham as portas antes de completarem dois anos.

Isso acontece por uma combinação de fatores, mas principalmente por falta de planejamento adequado e qualidade na gestão da empresa, cuja maioria são de micro a médio porte. Muitas vezes, estes novos empresários querem gerar apenas uma ocupação para si, e não propriamente empreender.

Sem planejar a totalidade de recursos que vai precisar, sem calcular o capital de giro e na ânsia por gerar renda rapidamente, ele já inicia o negócio com a cultura do empregado, e inevitavelmente estará fadado ao fracasso.

Seja programando mês a mês o crescimento do empreendimento, ou adquirindo crédito rapidamente com carta contemplada, é possível utilizar o consórcio pra planejar metas e garantir que o negócio se mantenha saudável no mercado e com um bom capital de giro.

COMO USAR O CONSÓRCIO PARA MINHA EMPRESA?

Fugir do Aluguel é um peso muito grande carregado principalmente por pequenas empresas e pode ser eliminado através do consórcio. Com um investimento mensal, compatível com a receita do negócio, é possível parar de desperdiçar dinheiro com aquele custo fixo da locação.

Uma vez o imóvel adquirido, o valor que antes era pago em aluguel passa a ser investido nas parcelas do consórcio, portanto, você deixa de perder dinheiro todo o mês e começa a investir num patrimônio próprio, que vai garantir o futuro da sua empresa.

Aumentar o espaço: a empresa começou pequena, mas o negócio cresceu e o espaço anda apertado? Da mesma forma que o consórcio serve para livrar a empresa do aluguel, ele também pode ser utilizado para a expansão de uma área extra, ou mesmo para a aquisição de um novo imóvel ou terreno, sempre dentro das possibilidades do seu empreendimento.

Construções e reformas: também é possível gerar o capital necessário para construir ou
reformar através de um consórcio. Fazendo isso, pequenas e médias empresas conseguem projetar espaços mais adequados de acordo com cada perfil.

O consórcio além de custear o projeto arquitetônico e a própria obra, também permite a compra de mobiliário, neste caso, dentro da modalidade de serviços.

Compra de veículos: o sucesso da sua empresa depende da qualidade da sua frota? Com um consórcio você pode planejar a periodicidade dessa troca, de acordo com a necessidade da sua empresa, sem comprometer a saúde do negócio. Com a frota atualizada e em boas condições de uso, seu empreendimento não perde a produtividade.

Compra de máquinas e equipamentos: com a concorrência cada vez mais qualificada, manter a competitividade é um grande desfio pra qualquer empreendedor. Máquinas modernas e equipamentos mais eficientes costumam ser armas poderosas nesta guerra por espaço no mercado, portanto, investir nisso permite o aumento da produtividade e a melhora na qualidade dos produtos ou serviços prestados.

Capital de giro: manter capital pra garantir o funcionamento diário ou a expansão da empresa é preocupação de 10 entre 10 empresários. Nós já falamos que sem planejamento a empresa não tem chances de se manter no mercado, e a preocupação com capital de giro está diretamente atrelada ao conceito de planejamento.

Aderir a um consórcio para levantar capital de giro é uma solução bastante segura para não
estagnar nem os investimentos, nem a expansão do seu negócio. Seja através do planejamento ou levantando recursos rapidamente com a compra de uma carta contemplada, o consórcio tem auxiliado muitos empresários a preservarem capital, controlando melhor o fluxo de caixa e ainda escapando das taxas de juros astronômicas dos empréstimos convencionais.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Como saber a hora certa para fazer um consórcio

Existe hora certa para isso?

Comprar um carro, adquirir um imóvel, reformar ou construir. Seja qual for o seu objetivo, se você sabe onde quer chegar, já está pronto para dar o primeiro passo. E esse é o momento certo para fazer um consórcio.

Nessa modalidade, pessoas com o mesmo objetivo se unem em grupos. Todos contribuem mensalmente (ou conforme estipulado em contrato) para formar um fundo comum. Cada participante do grupo tem o direito de utilizar parte deste fundo para adquirir o bem ou contratar o serviço desejado. A ordem de utilização é definida por sorteio e lance.

Como não é possível saber quando o participante do grupo será sorteado não é possível saber quando ele poderá utilizar o crédito. Também não é possível prever se seu lance será o vencedor, caso queira ofertar e aumentar suas chances de contemplação. Dessa forma, consórcio é ideal para quem não tem pressa e pode aguardar a contemplação. Essa pode ocorrer do primeiro ao último mês do grupo.

Uma dica é definir o prazo máximo para a realização do objetivo, para que este seja o prazo do grupo do qual você irá aderir. Caso seja contemplado antes e ainda não queira utilizar o crédito, o valor ficará aplicado no mercado financeiro. A aplicação é feita conforme critérios estabelecidos pelo grupo em assembleia. Ou seja, quando você achar que é o momento ideal para utilizar o crédito, terá disponível o valor vigente na data da contemplação acrescidos dos rendimentos financeiros até a data de utilização.

É preciso ter sorte para ser contemplado?

Você não precisa depender apenas da sorte. Você pode aumentar suas chances de ser contemplado se programando para ofertar lances, que nada mais é do que a antecipação de prestações. Você pode fazer uma reserva todo mês e ir aumentando a oferta com o passar do tempo, caso ela não seja a vencedora. Clique para ler. Você pode ainda utilizar algum dinheiro extra que entrar, como 13º salário. No caso do consórcio de imóveis, pode ainda ofertar lances com o FGTS.

Por fim, caso queira adquirir um bem de menor valor, você pode ainda utilizar a parte que irá sobrar do crédito contratado para ofertar um lance embutido. Nesse caso, o valor ofertado será descontado do total do crédito.

Planejamento

A palavra-chave de todo consorciado é: planejamento! O consórcio será sempre uma boa alternativa para quem sabe onde quer chegar e se planeja para alcançar a médio e longo prazo. Por exemplo: você pode comprar um carro hoje e já programar a troca daqui a quatro anos, fazendo um consórcio. Ou planejar a troca dos equipamentos do seu escritório para que eles estejam sempre modernos e atualizados. Para quem planeja, há sempre uma oportunidade para realizar por meio do consórcio.