Arquivo mensal 3 de Janeiro, 2019

PorRedação Faça Seu Consórcio

Como funciona o Consórcio para Viagens

Em um consórcio para viagens, um grupo de pessoas se reúne e paga parcelas mensais para uma administradora financeira a fim de conquistarem um valor pré-determinado.

Assim que esse valor é alcançado, um dos participantes é contemplado com uma carta de crédito no valor estipulado. Isso acontecerá até que todos os participantes do grupo recebam suas cartas de crédito.

No momento da contratação do consórcio para viagens, você poderá estipular o valor que será suficiente para a sua viagem, e negociar a quantidade e os valores das parcelas mais adequadas ao seu orçamento. As mensalidades devem ser pagas até o fim do contrato, independentemente se você foi contemplado no inicio ou no fim do plano de consórcio.

Vantagens de se fazer um consórcio para viagens

Um consórcio para viagens pode ser muito mais vantajoso que um simples financiamento. Veja a seguir quais as maiores vantagens de contratar um consórcio para viagens:

  • Em um consórcio as parcelas não possuem juros como em um financiamento;
  • Enquanto você não é contemplado, você pode planejar a sua vida para a viagem;
  • Além disso você pode também planejar em detalhes toda a sua viagem;
  • Você poderá pagar sua viagem a vista, o que lhe garante mais descontos;
  • Você não precisa usar todo o valor da carta de crédito com as passagens.

No final das contas, fazer um consórcio para viagens, lhe permitirá planejar toda a sua viagem, desde as passagens até a hospedagem, os passeios e os gastos nas cidades que você visitará.

Por essas e outras razões, muitas vezes, o consórcio para viagens é a escolha mais adequada para quem pretende fazer a viagem dos sonhos.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Entenda sobre o CONSÓRCIO PARA CIRURGIA PLÁSTICA

Para fazer este tipo de consórcio é preciso que decida antes o tipo de cirurgia que vai fazer e saiba o valor que precisará. Depois, você opta pelo valor da carta de crédito conforme os gastos médicos e analisa as opções para fazer o seu.

Os sorteios são feitos mensalmente e pode ser que seja contemplado a qualquer momento, mas se não for sorteado, ao final recebe o valor que precisava sem nem mesmo sentir pesar no bolso.

O tempo do consórcio pode ser de um a quatro anos e isso dependerá do tipo de plano que quer fazer, bem como do valor que pode pagar pelas parcelas e preço final da cirurgia que vai realizar.

Vantagens de fazer um consórcio para cirurgia plástica

A primeira vantagem em fazer seu consórcio para cirurgia plástica consiste no fato de realizar seu sonho, pois só quem deseja realmente fazer este tipo de procedimento sabe como é não estar satisfeito com alguma parte do seu corpo e querer mudá-la.

Além disso, nesta modalidade de pagamento, não há juros e somente se paga uma taxa administrativa, fazendo com que não gaste muito a mais do que se fosse pagar à vista, mas tendo a vantagem de escolher o número de meses e valor de parcela que pode pagar.

E mais: você pode ser sorteado a qualquer momento, então pode ser que tenha pagado somente metade de sua cirurgia e já possa realizar seu sonho, tendo que continuar pagando depois, mas com tudo já feito.

Como contratar um consórcio para cirurgia plástica

Para escolher o melhor consórcio na hora de realizar sua cirurgia plástica, você deve fazer uma boa pesquisa nas melhores empresas da área a fim de garantir uma taxa administrativa menor e a maior facilidade para pagar suas parcelas.

Desta forma, pesquise em várias financeiras, que oferece uma maneira simples e segura de realizar sua cotação online sem sair de casa e ter em mãos os orçamentos das empresas mais conhecidas do ramo.

Após fazer suas pesquisas, compare as propostas e veja qual está mais adequada com seu bolso e seus sonhos e então comece a pagar as parcelas que a qualquer momento seu sonho pode se tornar realidade e você fará a cirurgia plástica que tanto queria.

Dúvidas comuns sobre o consórcio para cirurgia plástica

Ao optar pelo consórcio para cirurgia plástica, é natural que sujam muitas dúvidas. Para te ajudar a solucioná-las, selecionamos algumas:

– Qual o prazo de um consórcio para cirurgia plástica?

Varia conforme o grupo, já que podem durar de um a quatro anos, geralmente. Então, se você não tem pressa em fazer a cirurgia plástica, essa é uma boa opção. Ou seja, você pagará um valor fixo mensal e poderá ser contemplado a qualquer momento.

– Existe um jeito para ser contemplado mais rápido?

Sim. Você pode ser contemplado por sorteio mensal e ao dar lances, este último aumenta suas chances. No lance ocorre como um leilão, ou seja, leva a carta de crédito quem der o maior lance. Também existe consórcio em que o lance vencedor é o do participante que antecipou mais parcelas.

– Vou pagar juros nas parcelas consórcio de cirurgia plástica?

Diferente de um empréstimo pessoal, o consórcio não possui juros nas parcelas. Porém, você pagará uma taxa a administradora e, conforme o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), as parcelas podem ser reajustadas anualmente.

– Se eu desistir do consórcio, o que acontece com o dinheiro investido?

Se você desistir do consórcio para cirurgia plástica, poderá passar a sua participação para outra pessoa. Esta irá comprar a sua cota, ou seja, pagar o valor que você já pagou no grupo. Outra forma é solicitar a sua saída do grupo, pagar a multa e aguardar ser sorteado para receber o valor das parcelas já pagas.

Dependendo da empresa, você também poderá mudar de consórcio para um grupo mais barato.

Essas são as dúvidas mais comuns sobre o consórcio para cirurgia plástica. Se você tem mais dúvidas, pergunte para nós!

PorRedação Faça Seu Consórcio

Posso aderir um Consórcio com o nome sujo?

É importante que quando iniciar o consórcio você se organize financeiramente para que possa pagar seus débitos até a contemplação. Vamos avaliar o cadastro como todo, levando em consideração a pontualidade dos pagamento, o histórico e análises internas que são realizadas, por isso se atente a todos os detalhes para que possa realizar o seu processo de contemplação da melhor forma possível.

Confira essas dicas sobre educação financeira que podem te ajudar a organizar suas finanças. Com foco e planejamento, você é capaz de liquidar suas dívidas antes da contemplação e não sujar mais o seu nome.

consórcio é uma excelente forma para ajudar as pessoas se planejarem. É uma forma segura e consciente de aquisição de bens sem bagunçar seu orçamento. Conheça nossos planos e fale com a gente. Somos especialistas em realizar sonhos.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Entenda o que é Fundo de reserva no consórcio e para que serve.

O QUE EXATAMENTE É O FUNDO DE RESERVA?

Trata-se de uma reserva financeira formada por cobranças adicionais feitas nas parcelas de todos os consorciados. Quando necessário, o dinheiro guardado é empregado para cobrir emergências.

Quem mora em condomínio já deve estar mais familiarizado com essa ideia. Em habitações desse tipo, afinal, é comum que os moradores arquem com um pequeno pagamento extra a fim de ajudar a administração a lidar com a ocorrência de imprevistos.

A cobrança do fundo de reserva é prevista pela Lei do consórcio, criada para orientar essa modalidade de negócio. O detalhe é que se trata de uma taxa facultativa, só podendo ser cobrada quando devidamente explicitada no contrato.

COMO UM FUNDO DE RESERVA É FORMADO?

O valor da cobrança do fundo de reserva é proporcional ao valor da carta de crédito. Um exemplo vai ajudar a entender melhor: antes de mais nada, imagine uma carta de crédito de 100 mil reais, com parcelas divididas em 60 meses e taxa de fundo de reserva de 2%.

Para descobrir o valor da cobrança do fundo de reserva em cada parcela, é preciso calcular o percentual mensal, já que ele não é cobrado todo de uma só vez. Aí é simples: basta dividir a taxa de fundo de reserva pelo número de meses do consórcio. Logo, 2% dividido por 60 meses será igual a 0,033% ao mês.

Assim, sobre uma carta de crédito de 100 mil reais, será preciso pagar ao fundo de reserva aproximadamente 33 reais por parcela. Lembrando que outras cobranças também são feitas, como a taxa de administração, responsável por remunerar a empresa gestora do consórcio.

QUANDO ESSE FUNDO PODE SER USADO?

Mencionamos agora há pouco que o fundo de reserva só é usado apenas em emergências, certo? Mas que tipo de emergência é essa? Confira as principais possibilidades:

  • insuficiência de recursos no fundo comum;
  • pagamento de seguro para cobertura de inadimplência de consorciados contemplados;
  • pagamento das despesas bancárias de responsabilidade do grupo;
  • pagamento com despesas judiciais e extrajudiciais para recuperar créditos do grupo;
  • contemplação por sorteio, desde que não prejudique o uso do fundo nas situações previstas nos tópicos anteriores.

E O QUE ACONTECE SE NÃO FOR PRECISO USÁ-LO?

Nem sempre será necessário que um consórcio lance mão dos recursos acumulados no fundo de reserva. E essa pode ser uma boa notícia aos consorciados que cumpriram suas obrigações até o encerramento do grupo do consórcio.

A administradora deve comunicar aos integrantes do grupo se há saldo remanescente em até 60 dias da realização da última assembleia. Havendo dinheiro, o total é dividido proporcionalmente entre aqueles que têm direito a ele, sendo creditado nas contas correntes dos consorciados.

Como você viu, o fundo de reserva funciona como mais uma garantia de que o consórcio conseguirá honrar todos os compromissos, mesmo em situações adversas. Todavia, sua cobrança deve ser feita de forma transparente para que os consorciados tenham ciência do que estão pagando.

PorRedação Faça Seu Consórcio

Entenda por que o Repasse de consórcio não é recomendada

Excelentes modalidades de compra, os consórcios são conhecidos por apresentarem ótimos preços e condições facilitadas para quem planeja suas aquisições com antecedência. No entanto, como imprevistos sempre acontecem, pode ser que o consorciado precise desistir do negócio. Nesse caso, existe a possibilidade do repasse.

A verdade é que, no ato da contratação, é quase impossível prever a ocorrência de contratempos ou imprevistos financeiros que poderão aparecer, impedindo que o consorciado dê continuidade ao pagamento das parcelas e mantenha sua participação no grupo. O repasse de consórcio pode, assim, ser a solução para essa pessoa.

COMO FUNCIONA A TRANSFERÊNCIA DO CONTRATO?

Quem possui uma cota em grupos de consórcio pode repassá-la para outra pessoa a qualquer momento. A situação é permitida inclusive para cotas contempladas, desde que a transferência seja realizada de acordo com as regras previstas no contrato.

Nesse caso, o novo consorciado substituirá o antigo no grupo, assumindo todas as suas responsabilidades, como o pagamento das parcelas restantes.

O problema é que as empresas que administram os consórcios não realizam esse processo. O que acontece é que muitos clientes acabam concluindo a venda por conta própria.

Ainda existe a possibilidade de recorrer a administradoras que fazem essa intermediação, comprando a cota e a revendendo para terceiros. No entanto, apesar da operação ser permitida, existem alguns pontos negativos que devem ser considerados antes de concluir a transferência.

POR QUE O REPASSE DE CONSÓRCIO NÃO É RECOMENDADO?

A princípio, a ideia de adquirir um consórcio já contemplado pode parecer bastante atrativa. Afinal, assim você não teria que esperar pelo sorteio nem dar lances para conquistar a tão desejada carta de crédito. No entanto, o processo esconde alguns riscos. Confira!

A CARTA DE CRÉDITO PODE SER FALSA

À primeira vista, o negócio pode parecer imperdível: adquirir uma carta de crédito contemplada para poder comprar o bem ou contratar o serviço desejado à vista. Antes de finalizar o acordo, no entanto, confira se o documento é verdadeiro! Sim, existem muitas pessoas mal-intencionadas por aí.

Descubra qual é a empresa administradora do consórcio e faça contato para verificar se a carta de crédito é autêntica. Acredite: esse simples cuidado pode evitar uma enorme dor de cabeça no futuro!

O VALOR PAGO PODE SER MAIOR QUE O VALOR DO CONSÓRCIO

Além do risco de fraude, é preciso ficar atento ao valor pelo qual o consorciado está negociando sua carta de crédito. Por ter em mãos uma ferramenta que vai conferir ao comprador o acesso imediato ao bem ou serviço desejado, o vendedor pode querer tirar vantagem da situação.

Uma carta contemplada pode render ao consorciado um lucro de até 30% em relação ao montante já pago. Portanto, o comprador precisa estar ciente de que seu imediatismo, na verdade, vai contribuir para o lucro do antigo dono. Deixando a pressa de lado, você pode economizar esse valor ou investir na compra de um bem ainda melhor.

SEU PERFIL PODE NÃO SER O IDEAL

Outro fator que deve ser considerado no caso de um repasse de consórcio é a transferência de titularidade. Na prática, a decisão de aceitar a alteração do responsável pela cota é da administradora e não das partes. Por isso, será feita uma análise a fim de verificar se seu perfil será aceito. Sem cadastro aprovado, nada feito.

A TAXA DE TRANSFERÊNCIA PODE SER ONEROSA

A empresa pode cobrar uma taxa para realizar a transferência do consórcio de uma pessoa para outra. Sabendo disso, procure conferir se essa cobrança existe, qual o valor da taxa e quem vai pagar por ela, se é você ou o consorciado contemplado.

Como você viu, adquirir uma carta contemplada na reta final pode não ser um bom negócio. Portanto, não deixe de avaliar outras possibilidades! Pode ser muito mais vantajoso comprar uma cota própria e oferecer o valor disponível como lance, aumentando assim suas chances de contemplação.

Antes de decidir pelo repasse de consórcio, verifique se é possível cancelar ou vender sua cota!